Fotografia Básica: Lei da Reciprocidade

Bom, o assunto hoje é complicado de se explicar mas muito simples na prática, com o tempo acaba se tornando automático.

Todos os ajustes de exposição de uma câmera fotográfica (velocidade do obturador, abertura do diafragma, e valor do iso) já foram mencionados aqui. Agora, o assunto é como esses ajustes se relacionam entre si.

O diafragma, o obturador e o iso são regidos pela razão de 2:1 relativos a quantidade de luz. Ou seja, quando abrimos o diafragma em um ponto, permitimos que o dobro de luz entre, se fecharmos um ponto, metade da luz sensibiliza o filme. O mesmo acontece com o obturador e o iso.

Dessa forma, se fotometrarmos em f5.6 e 1/125, em iso 200 e quisermos mais profundidade de campo, digamos f11,  devemos fechar o diafragma em 2 pontos. Assim, diminuímos 4 vezes a quantidade de luz. Isso significa que não haverá luz suficiente para fazer a foto e  estaremos subexpondo a imagem.

Para isso não ocorrer, devemos compensar nos outros ajustes, ou obturador ou iso, ou ambos. Considerando só o obturador, o tempo de exposição, nesse caso, deverá ser de 1/30 (o iso alto acarreta em perda de qualidade nas cores e granulação na imagem, por isso só é considerado em último caso).

Se por exemplo, na mesma fotometragem (1/125, f5.6, iso 200), queremos congelar um movimento e ajustamos o diafragma para 1/500, automaticamente, precisamos balancear o valor do obturador em dois pontos mais aberto (f2.8).

Por isso é correto afirmar que a quantidade de luz na configuração 1/125, f5.6, iso 200 é igual a quantidade de luz em 1/500, f2.8, iso 200. As duas configurações são chamadas equivalentes.

Mas e se minha lente não alcança a abertura de diafragma f2.8? Simples, aumentamos um ponto no iso e abrimos o diafragma em um ponto (poderíamos aumentar dois pontos no iso e continuar usando f5.6, mas para evitar os prejuízos que isso acarreta, sempre prefira envolver outros ajustes para não aumentar demais o iso). A configuração ficará em 1/500, f4, iso 400.

A maior dificuldade é que na câmera não existem só pontos inteiros, as vezes precisamos adicionar apenas meio ponto de luz ou 1/3 de luz. Ter essa possibilidade é muito bom e ajuda muito, o problema é que fica difícil saber que números representam pontos cheios ou frações de ponto.

Para facilitar, decore. Aí vai uma tabelinha dos pontos inteiros:

Obturador:

1s   1/2s  1/4s   1/8s  1/15s   1/30s   1/60s   1/125s   1/250s   1/500s   1/1000s   1/2000s

Diafragma:

f2.8                 f4                  f5.6                  f8                  f11                  f16                f22

Iso:

50                100                200                400                800                1600                3200

É legal fotografar a mesma imagem com as configurações equivalentes para ver a diferença na profundidade de campo e o ruído que os isos altos acarretam.

Anúncios

Sobre André Americo

Sou jornalista e fotógrafo, trabalho no jornal Metro ABC
Esta entrada foi publicada em Dicas, Fotografia Básica com as etiquetas , , , , , , , , , . ligação permanente.

2 respostas a Fotografia Básica: Lei da Reciprocidade

  1. pedro diz:

    Boa noite, receio que na tabela que expos no fim do artigo os valores do Diafragma e do Obturador estão trocados. De resto o artigo está muito bom. Cumprimentos.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s